10 reais motivos para os conservadores se preocuparem com as crianças

Conservadores se preocupam com crianças acompanhadas dos seus pais em museus, mas ignoram milhões de crianças em situação real de vulnerabilidade.


Parece que grupos ultraconservadores, como o MBL, encontraram um terreno fértil para explorar, podendo assim garantir que sua agenda obscurantista e retrógrada continue pautando o debate político nacional: o moralismo de ocasião do brasileiro.

Com as acusações infundadas de pedofilia contra a série Criança Viada no Queermuseu e a performance do artista Wagner Schwartz no Museu de Arte Moderna, os nossos conservadores, os mesmos que são indiferentes às crianças de rua e que defendem a redução da maioridade penal, demonstraram ter preocupação com as crianças, mas onde elas não estão correndo perigo. Ainda: essas mesmas pessoas são as que mais defendem o sistema econômico dominante, cuja exclusão que provoca tem as crianças como uma das maiores vítimas.

Por conta disso, já que eles dizem se preocupar tanto com as crianças – em museus – e para aproveitar esse clima do dia das crianças em que muitos deles colocaram como avatar fotos deles da infância no Facebook, que tal lembrarmos como o capitalismo, o sistema que eles consideram ideal, tratou e trata as crianças de todo mundo, seja em seu minúsculo centro desenvolvido ou na sua gigantesca periferia subdesenvolvida? Ou dos abusos que instituições que eles consideram sagradas, como Igreja e família, praticam contra as crianças? Será que eles irão se indignar com situações em que as crianças realmente estão vulneráveis?

1. (Neo)liberalismo econômico

Crianças se protegendo do frio em Nova Iorque
Crianças de rua tentando se proteger do frio em Nova Iorque. Foto de Jacob Riis (1889).

Essa era a realidade de milhões de crianças nos EUA no século XIX, período em que o liberalismo econômico era a regra. Na época, metade da população dos EUA se encontrava na extrema pobreza.

Ainda no mundo desenvolvido, o neoliberalismo provocou desemprego, aumentou as desigualdades e encareceu o custo de vida, tornando milhares de famílias sem teto. Como consequência da crise de 2008, provocada pela desregulação financeira, uma das exigências da agenda neoliberal, hoje cerca de 47 milhões de estadunidenses vivem abaixo da linha de pobreza e o número de daqueles que vivem em habitações precárias e de sem teto nos EUA aumentou.

Em 2013, aproximadamente 20 milhões de estadunidenses viviam em parques de trailers, equivalentes às nossas favelas e, em janeiro de 2016,  mais de 500 mil estadunidenses não possuíam uma casa para morar. Entre elas, as crianças. Na cidade de Nova Iorque, dos 60 mil moradores de rua, 25 mil são crianças.  No geral, houve um aumento de 34% de crianças sem-teto nos EUA.

2. Armas de fogo

Hayden King, 9 anos, e Harper Edens, 5 anos, motos por uma arma de calibre .40, na Carolina do Sul.Ainda no suposto paraíso dos conservadores, os EUA e dedicado especialmente aos conservadores que defendem a liberação total de armas de fogo no Brasil, um movimento que vem ganhando força, sendo o ultraconservador Bene Barbosa um dos seus maiores representantes. De acordo com os estudos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, nos EUA, país em que porte de armas é liberado, 4,2% das crianças estadunidenses testemunharam um tiroteio e em torno de 1300 delas morrem por ano devido a acidentes ou crimes envolvendo armas de fogo.

Na foto, Hayden King, de 9 anos e Harper Edens, de 5 anos,  ambos mortos pela própria mãe com uma arma de calibre .40 pega na casa de seus pais, na Carolina do Sul.

3. Fome

Abutre e criança faminta no Sudão
Criança faminta no Sudão. Foto de Kevin Carter (1993).

Mesmo que hoje a produção de alimentos seja mais que suficiente para alimentar toda a população mundial, em torno de 16 mil crianças morrem de fome por ano,  segundo o relatório da ONU publicado em 2015. Lembremos ainda que aproximadamente 50% dos alimentos produzidos mundialmente são descartados a cada ano.

Por que isso ocorre? Simples: porque o modo de produção de alimentos dominante é baseado na propriedade privada de grandes extensões de terra, ou latifúndios, que visa apenas o lucro, como o “agronegócio” tão elogiado nas vinhetas da Globo. Desta forma a distribuição dos alimentos produzidos atendem à lógica de mercado, não às necessidades humanas. Em um mundo dominado por essa lógica, é preferível deixar os alimentos estragarem ou descartá-los com a intenção de valorizar seu preço a doá-los para famílias necessitadas.

Enquanto isso, os conservadores acusam o único meio possível de possibilitar alimento para todas as crianças, a Reforma Agrária, de “comunismo”. No Brasil, 70% dos alimentos são produzidos por pequenas propriedades, mostrando o potencial da agricultura familiar.

4. Abuso sexual de crianças em igrejas e na própria família

Pedofilia nas igrejasOs conservadores veem pedofilia onde não há, como fizeram ao forçar as desnecessárias polêmicas do Queermuseu e do MAM, já mencionadas. Mas ignoram onde a esmagadora maioria dos casos em que abusos sexuais realmente ocorrem: na própria família e nas igrejas.

No Brasil, em torno de 64% dos casos de abuso sexual contra crianças de até 6 anos acontecem dentro de casa, sendo os autores geralmente os próprios familiares da criança ou amigos e vizinhos da família. E um dado curioso: quem mais expõe esse tipo de abuso são as famílias de baixa renda, que fizeram 95% das denúncias. Isso não significa que tais abusos tendem a não ocorrer nas classes média e alta, no entanto são abafados, por medo de que a exposição faça a família perder status.

Já nas igrejas, os casos de pedofilia proliferam. Mais de 4,5 mil casos foram registrados na Austrália e mais de 10 mil casos nos EUA. No Brasil, vários casos de pedofilia praticados por pastores evangélicos vieram à tona, como o do pastor Nelson Pereira Souza, que abusou de uma menina de 12 anos, no Rio de Janeiro; o pastor e ex-candidato a vice-prefeito (PSD) de Cuiabá (MT), Paulo Roberto Alves, flagrado com meninas de 11 e 16 anos; e os pastores Antonio Ramos da Silva e Cosme Gama e Silva, ambos da Igreja Universal, acusados de abusarem de meninas, também na faixa etária entre 11 e 16 anos, em Esperança, Pernambuco.

5. Guerras e conflitos

Criança síria confunde máquina fotográfica com arma
Criança coloca as mãos para cima ao confundir uma máquina fotográfica com uma arma, na Síria.

Em guerras e conflitos as crianças são as que mais sofrem, ainda mais por, ao testemunharem ataques bárbaros (quando não são as vítimas deles), passarem por traumas que podem comprometer seu desenvolvimento até a vida adulta, inclusive tornando-as mais propensas a desenvolver doenças. Na guerra civil da Síria, cerca de 6 milhões de crianças foram atingidas, dependendo hoje de ajuda humanitária. E, mesmo após o desfecho dos conflitos, as consequências da guerra são ainda fatais, ainda mais quando há a falência do Estado, como ocorreu no Iraque, onde 1 em cada 5 crianças correm risco de morte.

No Brasil não temos guerras declaradas, mas conflitos que matam tanto quanto, como os que ocorrem entre traficantes e a polícia. Em uma década, 35 crianças foram mortas em trocas de tiro entre facções de traficantes ou entre estas e a polícia.

6. Exploração de trabalho infantil

Exploração de trabalho infantil em Gana
Criança trabalha na extração de cacau para abastecer a indústria de chocolate no Ocidente, em Gana.

Enquanto os conservadores brasileiros se horrorizam com uma ameaça inexistente em museus contra as crianças, se calam sobre o aumento da exploração infantil que ocorre no seu próprio país. De acordo com o IBGE, aumentou o número de casos de trabalho infantil de crianças entre 5 e 9 anos no Brasil. Devido à extrema desigualdade social no país e o descaso do poder público, hoje cerca de 80 mil crianças brasileiras estão trabalhando para ajudar suas famílias pobres, quando deveriam estar na escola.

Já em todo mundo, em um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), foram registrados 154 milhões de casos de exploração de trabalho de crianças e jovens menores de 18 anos.

Você já viu algum conservador se indignando contra isso? Muito pelo contrário. Um post da página conservadora ILISP, em que defendia o trabalho infantil usando a falsa polêmica do MAM, teve mais de 300 mil compartilhamentos entre os conservadores e neoliberais de internet.

7. Violência institucionalizada

Policial aponta sua arma contra crianças na Favela do Jacarezinho
Policial aponta sua arma para crianças na Favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro.

Nas periferias do Brasil as políticas públicas são praticamente nulas e os direitos básicos de cidadania não são respeitados. Faltam escolas, cultura, esporte, lazer, centros de formação, hospitais, mas sobra violência policial. Evidentemente quem mais sofre nesse cenário de terra arrasada são as crianças, que ficam expostas a todo tipo de abusos, seja dos traficantes de armas e drogas, seja da polícia, entre tiroteios, espancamentos, torturas e assassinatos, em que os negros são os que mais morrem.

As intervenções policiais nas periferias do Brasil já provocaram, em 12 anos, a morte de 80 crianças até 12 anos, 60% delas só no Rio de Janeiro. E, quando não matam, deixam graves sequelas. Em 2015, na favela Marcone, em São Paulo, Douglas, então com 12 anos, foi uma dessas vítimas:  um tiro de borracha disparado pela PM o deixou cego de um olho.

8. Marginalização e abandono

Crianças de rua na cidade de São Paulo
Crianças de rua na cidade de São Paulo.

Em todo mundo, mais de 150 milhões de crianças vivem nas ruas, sendo 24 mil delas brasileiras. As causas podem ser sociais, como desestrutura familiar, violência doméstica e extrema pobreza; e se agravam com o descaso público, como falta de investimentos em educação e saúde, e ausência de políticas de apoio à infância.

9. Poluição e falta de investimento em saneamento básico

Falta de saneamento básico expõe crianças a doençasA cada ano, em torno de 1,7 milhões de crianças com menos de 5 anos morrem de doenças como diarreia, pneumonia e malária, causadas pela poluição e falta de acesso a água potável e tratamento de esgoto. No Brasil, a insuficiente estrutura de saneamento básico expõe quase 5 milhões de crianças a doenças.

10. Descaso com a merenda escolar

Toda criança tem direito à merenda escolarPara finalizar, a indiferença dos conservadores a dois casos graves: o escândalo de corrupção da merenda no governo Alckmin, no Estado de São Paulo, e ao controle humilhante das merendas nas escolas municipais da cidade de São Paulo, onde Doria é prefeito. Em ambos os casos as crianças são prejudicadas, já que criança com fome tem seu rendimento na escola comprometido.

Mas para quem demoniza espaços de cultura como os museus, dizendo apenas estar defendendo as crianças, deve ser mesmo difícil compreender a importância da escola, ainda mais se garantir não só a formação, mas também a dignidade na infância, não é mesmo?


Gostou desta publicação? Então compartilhe-a com seus amigos!

Mostre Sua Reação

LOL LOL
2
LOL
Susto Susto
2
Susto
Amei Amei
30
Amei
Ué? Ué?
4
Ué?
Medo Medo
3
Medo
Molotov Molotov
44
Molotov
Não curti Não curti
3
Não curti
Triste Triste
38
Triste
Só de olho Só de olho
8
Só de olho
Jorge Barqueiro

Olá! Quem acompanha a página da Anarcomiguxos me conhece como #Gayzista, mas também pode me chamar de Jorge Barqueiro. Por ser anônimo, como todos os admins da Anarcomiguxos devem ser, falar sobre mim pouco importa em uma bio, cabendo às minhas ideias, reflexões e posicionamentos sobre os assuntos que abordo me definirem.